quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Um hino à incúria, à incompetência, ou à estupidez?

Sugestão

Já que tanto se fala do estado lastimoso das finanças públicas, que tal pôr a mexer os pândegos que fazem estas coisas? De caminho, e porque isto só sucede porque há quem o permita, porque não fazer o mesmo aos fiscais que não fazem aquilo que é a sua função? Que diabo!, os cidadãos-pagantes não merecem um pouco mais de respeito?!
As fotos seguintes são apenas de Lisboa (e note-se que algumas situações foram, entretanto, corrigidas - o que se indica).
Em baixo, está um link para outras (nomeadamente em Lagos).
.
ALTERAÇÃO DE LOCALIZAÇÃO

Devido a problemas de espaço no Blogger, as imagens deste post foram transferidas para [aqui].
.
Ver uma outra colecção, dedicada a Lagos, [aqui]

22 comentários:

Saltapocinhas disse...

realmente é uma pena... e uma falta de respeito pela arte e trabalho das pessoas.

Cadáver Morto disse...

Se custa tanto fazer mal feito como bem feito, porque não se faz bem? Não percebo...

joel costa disse...

por ser feito propositadamente não posso deixar de agradecer esses apontamentos de humor e subversão. são eles que nos obrigam a reparar em algo que se calhar de outra forma simplesmente passariamos por cima

Carlos Medina Ribeiro disse...

Joel,

Não sei se viu o passatempo relacionado com um outro caso:

http://sorumbatico.blogspot.com/2010/05/analfabetos-funcionais-passatempo-com-2.html

Gastão de Brito e Silva disse...

É preciso ser mentecapto e desleixado...pura estupidez...deve ser por isso que hoje se exige o 12º ano para quase tudo...

Carlos Medina Ribeiro disse...

Até 27 Mai 10 está em curso mais um passatempo sobre este tema:

http://sorumbatico.blogspot.com/2010/05/ainda-o-analfabetismo-funcional-debate.html

Cid disse...

claramente não fizeram puzzles quando eram crianças...

Marota disse...

Quem fez isto não é pandego, mas sim um contribuinte sem formação profissional e mal pago. Quem não aprendeu a sua profissão devidamente e para além disso recebe ordenados de miséria não vai fornecer qualidade, o que é que estão à espera? Em Portugal tudo é amador, até os políticos.

O Sr. Cid até deve ter razão. Mas sabe, eles em criança já deviam trabalhar nas obras. O capataz era mau e não lhes deixava brincar aos puzzles.

dorean paxorales disse...

Cara marota,

É resultado da cultura do desleixo, do desinteresse, ou falta de brio, no melhor dos casos. Não tem nada a ver com qualidade (tenho a certeza de que as caixas da EDP ou CML estão bem fechadas) ou baixos ordenados (pois que custa o mesmo fazer o serviço como deve ser).

Carlos Medina Ribeiro disse...

Eu fui responsável por obras durante 30 anos (desde 1971, na tropa, até 2001, na Efacec).

Em todas, havia operários totalmente analfabetos, mas eram enquadrados, localmente, por oficiais, chefes de equipa, encarregados e chefes de estaleiro.

Isso apenas do lado do Empreiteiro, pois do lado do Cliente (em geral a EDP) havia também fiscais, responsáveis pelos diversos sectores (electricidade, construção civil, mecânica, química, etc).

Nestes exemplos das calçadas (talvez por se achar que se trata de coisas pouco importantes), falha (ou não existe) toda a fiscalização.

Marota disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marota disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marota disse...

Grande confusão! Desculpem este "vai e volta", mas tive problemas a publicar este comentário. Aqui ele outra vez:

Penso que hoje em dia já não se devia mais enquadrar pessoal, mas sim formá-lo adequadamente. Todos têm direito a aprenderem um ofício. O pessoal "enquadrado", sem formação escolar e profissional, nunca irá trabalhar em condições - só o fará enquanto controlado. Já é tempo de acabar com hierarquias e dar mais responsabilidades e confiança a subordinados, quem se sente respeitado e com poder a tomar decisões, mesmo que nem sejam minímas, trabalha motivado e até sente-se responsável pelo sucesso ou insucesso por aquilo que está a fazer. Vivo na Alemanha, e uma das coisas que, segundo a minha opinião, deveria ser copiado por Portugal, era o sistema de educação profissional. Todas as profissões aqui são aprendidas, desde pessoal de limpezas, pedreiros, electrecistas, padeiros (vendedor de pão), vendedores de talho e por aí a fora. Estes cursos profissionais duram em geral 3, no mínimo 2,5 anos. Todos estes alunos frequentam, para além das aulas práticas, aulas de matematica aplicada à profissão a aprender, comunicação, introd. à economia, e outras disciplinas que transferem conhecimentos sobre a profissão. O problema em Portugal é também a nossa mentalidade, somos pobre, no entanto tendemos depreciar tudo o que não seja doutor. Quem é que iria investir anos de estudo para ser electricista?

Passadeira em Lagos : onde está o erro? Não há só um, há uma quantidade deles, mas como os nossos olhos já estão tão saturados com tanta desgraça desta, eles irão necessitar de algum tempo para que se apercebam do que aqui não foi feito em condições.

Mais um exemplo da qualidade das técnicas de trabalho portuguesas. Quem irá pagar este erro será o parvo do inquilino que vier viver para aqui. Varanda vista no Porto

Carlos Medina Ribeiro disse...

Numa central eléctrica (como a de Alqueva, ou do Pêgo, que foram as últimas onde trabalhei) não se pode dizer que «Já é tempo de acabar com hierarquias e dar mais responsabilidades e confiança a subordinados...»

São obras que movimentam milhares de pessoas, de todas as profissões e especialidades, onde cada uma tem a sua função, e onde uma hierarquia (técnica e não só) é essencial:
Um pequeno erro pode custar a vida de muita gente, e acredite que, infelizmente, isso acontece mesmo quando menos se espera.

E eu mesmo já fui parar às urgências de um hospital, devido à incúria de quem colocou deficientemente uma tábua de passagem, levando-me a cair, e a ferir-me com alguma gravidade.

E olhe que não é agradável assistir a um operário ser electrocutado e ninguém lhe poder valer.

Marota disse...

Entendo-o perfeitamente, eu também não dava competencia e responsabilidade nenhuma a pessoas "enquadradas". Só o faria no caso de trabalhar com pessoas adequadamente formadas - não me estou a referir àquelas pessoas com cursos superiores, os que em Portugal muito gostam se serem tratados por doutores, mesmo não o sendo. Endende? Cumprimentos - Marota

Mário Martins disse...

ARRASADOR!

one woman disse...

Obrigada por este post. Aquilo que exprime de amor pelos pavimentos lisboetas relança um pouco a fé sobre a ideia de uma cidade dos cidadãos, passo a cacofonia. Pensava eu que tinha amor pelos pavimentos de Lisboa e no entanto nunca fiz uma tão sentida reportagem dos mesmos.

Carlos Medina Ribeiro disse...

No seguimento deste post, a PT corrigiu as tampas pelas quias é responsável.
Isso mesmo está indicado nas fotos em causa.

Jorge disse...

Este é apenas um exemplo(entre centenas) da incompetência a que chegou a CML. Quando pensávamos que já não podia ser pior, chegou o Sr. Costa e sus muchachos e é aquilo que está à vista de todos. RUA COM ESTES INCOMPETENTES

Carlos Medina Ribeiro disse...

Na realidade, a PT não corrigiu TODAS...

Bem, mas corrigiu a maior parte - já não foi mau!

Carlos Medina Ribeiro disse...

NOTA:

No seguimento de problemas de espaço no "Blogger", parece terem desaparecido algumas imagens...
Vou tentar recuperar - pelo menos - algumas.

Carlos Medina Ribeiro disse...

Ver alteração de localização das fotos (texto a vermelho)